fbpx
quinta-feira, 22 fevereiro 2024 | Login
Jorge Pisco (CPPME) refere que Orçamento de Estado discrimina as micro, pequenas e médias empresas

Jorge Pisco (CPPME) refere que Orçamento de Estado discrimina as micro, pequenas e médias empresas

A Confederação Portuguesa das Micro, Pequenas e Médias Empresas, através do seu presidente - Jorge Pisco - fez chegar à comunicação social um comunicado em que refere que o Orçamento de Estado, agora aprovado, discrimina e prejudica as micro, pequenas e médias empresas nacionais.

Sem comentários ou apreciações sobre o mesmo, ou sobre o assunto, transcrevemos o Comunicado de Impressa que nos chegou:

"O Orçamento de Estado ... aprovado não responde às preocupações das Micro, Pequenas e Médias Empresas.

O Governo, em fim de ciclo, optou uma vez mais por não incluir nenhuma das medidas que a CPPME lhe apresentou e que considerávamos ser necessárias e fundamentais para relançar a economia.

Optou uma vez mais por não querer apoiar a atividade das Micro, Pequenas e Médias Empresas e, com elas, o sustento de mais de três milhões de trabalhadores.

Optou por não eliminar as discriminações negativas e manter os obstáculos à sustentabilidade económica e à rentabilidade das Micro, Pequenas e Médias Empresas. Optou por continuar a adiar o futuro de Portugal, favorecendo os grandes grupos económicos e os grandes consumidores energéticos em detrimento das MPME representativas de 99,9% do tecido económico nacional.

Contrariamente ao que foi propalado, este Orçamento mantém a diminuição acentuada do poder de compra das famílias e, consequente, a contração do mercado e a diminuição do potencial de rendimento das MPME.

Os custos de contexto vão permanecer em alta, as taxas de juros, com a manutenção de custos e spreads bancários abusivos, continuarão a agravar dramaticamente e pôr em causa a viabilidade económica das MPME.

As alterações referentes ao IRC seletivo, com efeitos apenas em 2024, assim como as alterações referentes à taxa especial de IRC e às tributações autónomas (que necessitam de reforma total, como a CPPME defende há muito) não têm reflexos positivos nas MPME.

A manutenção de elevadas taxas de IVA, desalinhadas com as praticadas em Espanha, nomeadamente no que respeita à energia e combustíveis, contribui para o aumento galopante dos preços e não tem contrapartidas nas medidas anunciadas.

O agravamento do cenário macroeconómico é uma certeza, face ao prolongamento da guerra, às consequências da pandemia e sua evolução e à inadequação e insuficiência das medidas anunciadas!

O Governo que agora cessa funções com este Orçamento condenou a economia nacional à estagnação e à falência de empresas e empresários. Deixa milhares de empresas numa situação económica dramática pondo em causa a manutenção de milhares postos de trabalho face ao não cumprimento do pagamento atempado de apoios e de projetos a que se candidataram.

No atual contexto, as empresas atravessam um período de enorme instabilidade, não sabendo o que o futuro lhes trará.

Os sinais existentes não auguram nada de bom!

O Governo que resultar das eleições de 10 de março contará com a apresentação pela CPPME de Medidas Estruturantes e Transversais a todos os Sectores de Atividade que permitam às empresas avançar para uma Economia Sustentável e Dinâmica.

Os Micro, Pequenos e Médios Empresários continuarão a contar com a CPPME para trabalhar e desenvolver a sua ação na salvaguarda dos seus reais interesses".

Login to post comments

 

revista generalista

Torres Vedras

região Oeste e norte de Lisboa